Denovo

Estou de volta ao seu portão, como era antes.
Como quando ficava horas dizendo que já estava de partida.
Continuo com a idéia anarquista mas de um jeito mais sociável,
mantendo em ordem tudo que ainda se faz necessário.
Sim, sei que você ainda me vê e me sente,
e sei que há frutos por vir dessa história despadronizada.
De tanto tentarmos mudar o destino, o destino nos mudou,
e acabamos assim, sem acabar.
Disfarço não sonhar seus sonhos, mas os tenho as vezes antes de você,
e sempre vejo em seus olhos tudo que acabara de me dizer em palavras.
Posso reler as cartas daqui alguns anos, e elas ainda serão atuais,
tão atuais quanto as que escreverei no futuro distante.
Então, uma hora dessas vamos cantar uma música!
Vamos brincar de pega-pega, vamos contar histórias já contadas.
Deixa eu te contar daqueles tempos em que eu bagunçava tudo,
e fazia dessa bagunça a ordem real da minha vida.
E me conte de suas lembranças vivas de infância,
e relembre de todos e se necessário chore em meu ombro,
mais uma vez, afinal, eu tenho dois e são todos seus.
Podemos então, mais uma vez, nos abraçar, nos beijar, dizer boa noite e dormir,
porque tivemos mais um dia comum, e para nós é o suficiente.

2 comentários:

  1. Ooiii
    Valeu pelo comentário...
    Gostei do seu texto...
    Vc está romântico
    rsrs
    Bom,mudei meu blog..
    tá de cara nova
    rs
    bjs,até mais

    ResponderExcluir
  2. Simplemente,
    Sensacional!!! F Santo

    ResponderExcluir