Toquei seus olhos

Toquei seus olhos algumas vezes,
como mãos que tiram som de cordas,
como poeta calado que não é sua própria poesia.
Mas toquei seus olhos...
Eram brilhantes como se banhado em lágrimas,
com alma silenciosa que nada quizesse me dizer.
Dos verões frios guardava-se angústias sorridas,
descontentes e talhadas de compreensão que só oferecia mas não ganhava.
Mas sim, eu toquei seus olhos...
Por mais que sua calma tentasse me driblar,
eu sentia que você sabia que seu sentimento passava a ser meu também,
como se eu sentisse todos os seus gostos e todos seus anseios.
Nada pode ser devolvido ou reescrito após editado e concluído,
mas deve-se saber que novas obras virão.
E por mais rascunhos que se tenha amassado e jogado ao vento,
sempre existem novos finais a escolher.
Mas, insistentemente, eu toquei seus olhos,
e pude vê-los brilhando como se novamente acreditasse que
ainda existe um caminho.
Sim, verdade, eu toquei seus olhos,
Mas ainda espero que toquem os meus...

Um comentário:

  1. Oi,não entendi muito bem seu poema,mas mesmo assim é bem legal...rsrs
    Bjs

    ResponderExcluir